quinta-feira, 11 de novembro de 2010

ROTUNDAS

Rotunda de São João del Rey em 2008 - Foto Jonas Augusto

Há cerca de duas semanas inaugurei a seção "Rotundas ferroviárias" no meu site www.estacoesferroviarias.com.br. A recepção foi muito boa. É verdade que, embora eu tenha acumulado um bom acervo fotográfico sobre elas nos últimos anos, as informações sobre cada uma individualmente não são muitas.

Girador simples em Porto Ferreira, 2002 - aqui nunca houve rotunda. Foto Ralph Giesbrecht

Afinal, o que é uma rotunda? A maioria dos ferreofãs sabe, mas também há muita confusão sobre isso. Muitos acham que rotundas são aqueles giradores (ou viradores, ou giramundo, no nordeste) que estão não somente no centro das rotundas distribuindo as direções seguidas pelas locomotivas para cada "baia" da rotunda, mas também fora delas, em inúmeras estações (quantos giradores terão existido no Brasil? O número é ignorado), apenas para girar locomotivas para diferentes direções não para colocá-las nas baias das oficinas, mas também para que ela possa fazer o retorno na linha sem ter de fazer inúmeras manobras nos desvios para mudar sua posição. Uma alternativa aos giradores são os triângulos de linha (a pergunta também é: quantos deles existiram?), mas estes ocupam áreas muito grandes para as manobras.

Rotunda e girador em São João del Rey, em 2007. Foto Jonas Augusto

Já o número de rotundas que existem ou existiram é bastante pequeno. Algumas desapareceram há muito, principalmente com o final das locomotivas a vapor, nos anos 1950-60. Casa Branca, Rio Claro, Campinas (a da Paulista), Catanduva, São Diogo e outras foram derrubadas nessa época. Já outras sobrevivem até hoje, algumas em ruínas, outras em operação - mesmo mal conservadas, como a de Porto Novo do Cunha, em Além Paraíba, MG.

Triângulo em General Luz, RS. Ocupa área muito grande: está à direita, ao alto, sob uma linha branca do mapa (Google Maos, 2009).

Todas elas eram ou são muito parecidas, mas variam na forma: todas são redondas - daí o nome rotundas - mas algumas são de 90 graus, outras de 180, 270 e 360 graus. Talvez a mais conhecida do Brasil seja a de São João del Rey: depois de abandonada nos anos 1970, foi recuperada depois da extinção da linha da E. F. Oeste de Minas na região (a famosa linha de 76 cm, única linha comercial com essa bitola no Brasil) e hoje é um museu: lotada de locomotivas a vapor muito similares entre si e bem cuidadas externamente, é um quadro conhecido mundialmente. Dessas, no entanto, somente bem poucas operam (na curta linha que sobrou entre a cidade e a de Tiradentes) - a maioria sofreu apenas reformas cosméticas para serem expostas ao público.

Rotunda abandonada. Ribeirão Vermelho, MG, 2002. Autor desconhecido

As rotundas que ainda funcionam no Brasil são, por exemplo: Cruz Alta, Araraquara, Três Rios, Porto Novo do Cunha... há mais algumas. Por outro lado, existem e/ou existiram no máximo e apenas 40 delas no Brasil. Por serem construções em geral arquitetonicamente bonitas, sua preservação é sempre um objetivo das cidades que as têm. Pena que poucas o são. Muitas já desapareceram, algumas há bastante tempo.

É claro que existiram oficinas outras no país, porém, muitas delas não possuíam esse prédio. Os consertos e reparações eram feitos em outros tipos de depósitos e prédios. Ferrovias com a Sorocabana e a Santos-Jundiaí, por exemplo, jamais usaram rotundas. Enfim, quem estiver interessado em conhecer mais sobre elas, basta clicar em Rotundas do Brasil.

6 comentários:

  1. Excelente! Mais uma seção interessante que você inaugura. Não sabia que houve tantas rotundas assim pelo Brasil afora. A que eu achei mais interessante é a de Ribeirão Preto, por ser uma rotunda com dois giradores simultâneos. Não imaginava ser possível. Também houve "rotundas" quadradas, aquelas com todas as linhas paralelas e que ao invés de giradores, tinha um carretão no centro, que se movia perpendicularmente à elas. Por esse motivo, os prédios tinham planta retangular e, mesmo podendo ter a mesma função de uma rotunda, tecnicamente acho que não têm esse nome.

    ResponderExcluir
  2. É, tem várias oficinas que não sáo redondas. Nesse caso, são chamadas (até onde sei) simplesmente de oficinas.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito dessa nova seção de seu excelente site. De fato as rotundas no Brasil tem uma história muito desconhecida. Vou ater um pouco em minha cidade Rio Claro SP. A rotunda ainda existia pelo menos até 1934, em foto aérea que vi recentemente nas oficinas. Depois já não mais. Entretanto, ainda resta a parede de fundo dela, usada hoje como muro de uma quadra esportiva. Não tenho a data de quando o girador dessa rotunda foi retirado e soterrado, mas certamente foi quando erradicaram o trecho Analândia-Visconde do Pinhal da Rio Claro Railway. Depois disso contruíram um girador que hoje também não existe mais. Parabéns pelo excelente trabalho. Abraços, T+.

    ResponderExcluir
  4. É possível visitar a rotunda de São João del Rei? Obrigado !

    ResponderExcluir
  5. É possível visitar a rotunda de São João del Rei? Obrigado !

    ResponderExcluir