quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

FURTO NO MUSEU DA CIA PAULISTA EM JUNDIAÍ


No dia 2 de fevereiro último, o Sr. Mauro David Artur Bondi, da regional do IPHAN em São Paulo, pediu-me para transcrever o seguinte e-mail, enviado para mim nesse mesmo dia no sentido de divulgar um furto no Museu da Companhia Paulista em Jundiaí, conforme transcrito abaixo.


O texto foi copiado também por ele para várias outras pessoas interessadas no assunto. As fotografias acima, do quadro, foram-me enviadas no mesmo e-mail.


"Prezados:


Conforme informações da Prof. Karin Bizzarro, Diretora do Museu Ferroviário da Cia. Paulista em Jundiaí, no dia 25 de janeiro de 2010 às 7h45m, foi dada a falta de uma tela de pintura retirada do chassi e da moldura, no salão nobre do Museu da Cia. Paulista, sito à Av. União dos Ferroviários, 1.760, no centro de Jundiaí.


Trata-se do retrato do Dr. Clemente Falcão de Souza Filho - Presidente da Cia. Paulista de Estradas de Ferro de 1869 a 1880. O Dr. Clemente Falcão de Souza Filho foi um dos fundadores e primeiro Presidente da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. O retrato foi encomendado pelo Engenheiro Adolpho Augusto Pinto em 1919 e a pintura a óleo é atribuída ao pintor Oscar Pereira da Silva.


Pelo que ainda me foi relatado, não há sinais de arrombamento e, ao que parece, quem cometeu o furto deveria ter a cópia da chave da porta do Museu. Nenhuma outra peça foi subtraída e o retrato do Dr. Clemente Falcão de Souza Filho encontrava-se no segundo andar do referido museu.


Foi lavrado um boletim de ocorrência, que será encaminhado para a regional do IPHAN amanhã. Aguardamos a orientação superior da CTPF/DEPAM, considerando inclusive que o acervo desse museu ferroviário encontra-se em estudo para tombamento oelo IPHAN".

3 comentários:

  1. Este furto deixou frustrados muitos jundiaienses que presam pela memória jundiaiense e principalmente, pela memória da ferrovia.
    Quem souber alguma coisa no sentido de esclarecer esse furto histórico, entrar em contato com a autoridade policial.
    Regina Kalman

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Chamar isso de museu é piada! Não passa de um depósito de sucatas e papelada antiga misturado com coisas magníficas e sem uma mínima orientação museológica nem mesmo vigiância e acomodação decentes!Este quadro era maravilhoso e figurava inclusive em diversas publicações antigas da Paulista.Já há anos que ouço falar em furtos de peças e documentos neste local e ninguém faz nada!O museu, bem como as instalações das majestosas oficinas compõe o túmulo desta lendária empresa ferroviária.

    ResponderExcluir