segunda-feira, 28 de abril de 2014

OLIMPIA, DA E. F. SÃO PAULO-GOIAZ

Fachada da estação.

A Estrada de Ferro São Paulo-Goiaz foi mais uma das ferrovias que tinha um nome que não correspondia à realidade.

Ela jamais chegou a Goiaz. Para isso deveria cruzar o rio Grande em Icem, atravessar o Triângulo Mineiro e entrar para Goiaz... em que ponto ela pretendia chegar em Goiaz? A capital, que até 1942 era essa cidade com o mesmo nome do Estado, ainda com z no final e fundada pelos bandeirantes de Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera?
Estação, lado da plataforma.

Lembrando sempre que a E. F. Paracatu jamais chegou a Paracatu e a Perus-Pirapora jamais chegou a Pirapora.
Plantações ao lado da ex-estação.

A São Paulo-Goiaz partia de Pitangueiras, mais precisamente da estação de Passagem (depois na linha da Cia. Paulista) e chegava a Vila Olimpia, mais tarde chamada de Olimpia. Em 1926, vendeu todo o trecho entre Passagem, Pitangueiras e Bebedouro, além do ramal de Viradouro e Terra Roxa, que partia da estação de Ibitiúva, para a Cia. Paulista de Estradas de Ferro. Com alguns ajustes de trecho e aumento de bitola, essa linha tornou-se parte da linha-tronco da CP a partir de 1930.

Com o dinheiro recebido, a SP-GO construiu o trecho entre Olimpia e Nova Granada, chegando mais perto de Icem. Manteve sua partida em Bebedouro. Mas ficou por Nova Granada mesmo. Em 1950, vendeu tudo de vez para a Paulista, A linha ficou sendo o ramal de Nova Granada.
Outro imóvel.

Em Bebedouro, a SP-GO utilizava-se da estação da Paulista para a partida de seus trens. A segunda maior estação e possivelmente a mais importante da ferrovia era Olimpia. Note-se que a São Paulo-Goiaz dependia da Paulista, após Bebedouro, para suas exportações de café para São Paulo e o porto de Santos.

O ramal de Nova Granada foi desativado em partes: no fim de 1966, o trecho construído em 1932 foi extinto. No início de 1969, o resto do ramal, que acabava em Olimpia, foi suprimido também. A partir daí, o que fazer com as estações?
E outro.

 Nem todas sobreviveram. Olimpia foi uma das que se manteve. Em 1999, trinta anos após seu fechamento, visitei a cidade e a estação servia de local de preparação de refeições para os órgãos da Prefeitura da cidade.
Mais um.

Depois disso houve muitas promessas de revitalização do prédio. Em 2012, a Prefeitura começou uma reforma não somente na estação, mas também am outras casas que sobraram na antiga vila ferroviária.

Guilherme Soledade esteve lá há alguns dias atrás, mais precisamente em 25 de abril. Fotografou a estação e alguns dos prédios, uns em mau estado. A prefeitura parou a obra há alguns meses porque a documentação de transferência da ferrovia não conseguiu ainda se concretizar. Sempre a burocracia idiota dos governos, que preferem ver seus bens desmoronarem a cedê-los para terceiros.
E mais um em péssimo estado.

A Prefeitura teve a ideia de alojar três famílias na estação (quem pelas fotos, pelo menos exteriormente já estava pintada) para não deixá-la abandonada. Vejam as fotos da estação e dos arredores e vejam um episódio com a cara típica do Brasil.

2 comentários:

  1. a pensão em frente a estação de Olimpia foi vendida , acredito que sera demolida em breve.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde !

    Gostaria de obter mais informações sobre as ferroviárias desta região..

    Poderia me contatar pelo e-mail

    vanessa.veronezi.correa@gmail.com

    Aguardo.

    ResponderExcluir