domingo, 8 de julho de 2012

O MUSEU DA VERGONHA NACIONAL

Entrada da estação de Três Corações

Na verdade, este é apenas um dos inúmeros Museus da Vergonha Nacional. Cada município brasileiro - cerca de 5.600 - deve ter pelo menos um deles, cobrindo as mais variadas facetas. Se algum não tiver... que se manifeste. As afirmações e as fotografias deste texto foram feitas por mim. As fotos, no dia 6/7/2012. O escrito, hoje.
Depósito de locomotivas e vagões e oficinas

No caso de Três Corações, o museu (que eu chamei de museu, mas lá tem apenas o título de "velhas oficinas da RMV ou da RFFSA, ou da Minas e Rio, como quiserem e dependendo da idade e do interesse de cada pessoa) se refere à ferrovia que passa pela cidade. Curioso: apesar do nome, a ferrovia funcionava entre os Estados de São Paulo e de Minas Gerais.
Plataformas de embarque de passageiros da estação de Três Corações

Uma delas foi construída em 1884 e ligava a cidade mineira à cidade de Cruzeiro, em São Paulo. Era a Estrada de Ferro Minas and Rio, de ingleses e inaugurada então com a presença de Sua Majestade o Imperador Dom Pedro II. Tempos de glória para a ferrovia e para a cidade.
Entrada das ofocinas: aberto, sempre. Lá no fundo, a ponte sobre o rio Verde.

Vinte e seis anos depois, a ferrovia já estava em dificuldades. Foi então adquirida pela Rede Sul Mineira, que em 1931 foi uma das formadoras da RMV - Rede Mineira de Viação. Em 1957 tornou-se parte da RFFSA, mantendo o nome, que em 1965 tornou-se V. F. Centro-Oeste e que em 1975 tornou-se parte de uma das divisões da RFFSA.
Carros de passageiros da RFFSA enferrujando ao tempo

Em 1996, já estava em condições tão ruins, depois de perder os trens de passageiros por volta de 1980 (uns dizem que acabaram em 1976, outros em 1983) e com volume de cargas tão desprezível que nem concessionada foi. Atualmente, é a ABPF que tem a concessão para nela rodar trens turísticos, que atualmente trafegam do túnel na divisa mineira-paulista com Passa-Quatro e de Soledade a São Lourenço, enquanto o trecho entre Passa-Quatro e São Lourenço está sendo recuperado pela mesma associação e o trecho final, Soledade-Três Corações, aguarda esperançoso pelo mesmo destino, estando em abandono total.
Vagões da RFFSA dentro do depósito

É este último trecho que chega a Três Corações. As oficinas estão neste trecho, entre a estação abandonada e a saída da outra linha, a que segue para Lavras, em atividade ininterrupta, mas com cada vez menos cargas a transportar. O trecho que segue para Varginha foi um prolongamento feito pela E. F. Muzambinho e aberto em 1892, tendo sido em 1908 incorporado pela Minas e Rio.
Trilhos do trecho Três Corações-Lavras nas ruas de Três Corações

Já o trecho que segue para Lavras foi aberto parcialmente em 1918 e finalizado em 1926. Ele sai do outro lado do rio Verde em relação à estação, de uma das pontas do triângulo que ali existe - da outra ponta sai a linha para Varginha, sendo que a terceira ponta fica na cabeceira da ponte. Esse traho até Lavras ainda segue funcionando, mas ao que tudo indica, apenas com as cargas do moinho Fertipar em Varginha.
Ponte metálica sobre o rio Verde. Do lado de lá, o triângulo

Entre a estação da cidade e a ponte sobre o rio Verde ficam as oficinas. Embora haja um portão que fecha sua entrada, ele parece que está sempre aberto, pois diversas pessoas cruzam a ponte para chegar à região da estação. O estado das oficinas é péssimo. Totalmente abandonados, o prédio à esquerda de quem segua para o rio é um depósito de vagões ainda com os logotipos da RFFSA que há muito não saem dali. Do lado de fora dele, entrando por outro desvio, antigos carros metálicos de passageiros com a pintura azul da RFFSA apodrecem ali miseravelmente há muitos anos. Não há ninguém por ali, exceto os transeuntes que cruzam a ponte. Do lado direito, um prédio já bastante depredado, provavelmente almoxarifado, está totalmente ao léu, sem ter aparentemente coisa alguma dentro dele e provavelmente servindo de abrigo noturno para mendigos e drogados.
Vista do triângulo. Ao fundo, a ponte sobre o rio; em primeiro plano, a linha principal. Para a esquerda e para a direita, dirigindo-se à ponte, os outros dois lados do triângulo

Pois é: se pegarmos a estação e seu pátio, estas sim fechados com portão, e o pátio das oficinas com a bela ponte metálica (e uma rua passando no meio dos dois complexos, rua esta que vem da ponte de automóveis sobre o mesmo rio), teremos o que chamo de o Museu da Vergonha Nacional - Seção Três Corações. Ali pode se ver claramente o que se faz e o que não se faz com o dinheiro do povo. Pelo menos, poderiam fazer uma reforma cosmética nos vagões e carros que ali estão, pintando-os com suas cores originais e restaurando pelo menos externamente os edifícios. Aí, sim, seria um museu - e talvez o termo "vergonha" pudesses ser amenizado.
Lomotiva 213 da antiga RMV

Resta, ainda, lembrar que, do lado de fora da estação, ao lado de sua entrada, está uma das locomotivas da antiga Rede Mineira de Viação, com uma cobertura tipo telhado sobre ela que pelo menos a faz envelhecer mais demoradamente.

9 comentários:

  1. Todo país tem algo assim.
    Veja o link abaixo. É em Detroit!
    A estação de trem.

    http://www.seedetroit.com/pictures/mcsweb/

    ResponderExcluir
  2. Ralph belo post! Apesar de triste o conteúdo! Na verdade lhe parabenizo pela coragem e pelo empenho em denunciar o descaso com a memória ferroviária. Ralph estou concluíndo o meu bacharelado em História e no meu TCC que é sobre os blogs e o conhecimento de história no século XXI, fiz questão de lhe citar. Apesar de não ter uma formação como historiador tem critérios muito interessantes e o teu trabalho ajuda sem dúvida historiadores que gostam de pesquisar a temática ferroviária. Um abraço forte e sucesso, Noé

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! O Ralph merece mesmo ser citado entre os historiadores. Seu blog é muito bom!

      Excluir
    2. Obrigado, Leandro. Mas as noticias que dou sao sempre ruins...

      Excluir
  3. Quando vi o titulo achei que v. ia falar sobre Jundiaí ou Engenho de Dentro, que devem ser top em termos de vergonha nacional!Belo post!

    ResponderExcluir
  4. Ralpha, a linha não entrou na concessão porque além de estar tão precára (como quase todas) ela já tinha tido tráfego suspenso em 1991, sendo que o ultimo trem da RFFSA circulou por lá em 1993 (um especial da RFFSA a pedido das prefeituras da linha).

    Em 1996 ela foi passada a FCA, mas como brinde, a FCA dizem que fez alguns estudos e depois decidiu por não usar e devolveu para a RFFSA, e o governo fez o que sabe de melhor (depois de cobrar impostos) e abandonou tudo de vez.

    Uma pequena correção: A ABPF esta restaurando o trecho de São Sebastião do Rio Verde (km 60) a São Lourenço. Do km 60 ao km34 (Passa Quatro), não existem planos.

    Os carros que ai estão a ABPF estava tentando pegar, mas depois que incendiaram eles inviabilizou, como podemos ver nas fotos.

    ResponderExcluir
  5. Estou envergonhada pelo descaso com minha cidade...TC-MG.

    ResponderExcluir
  6. Resgatar a MEMÓRIA DAS ESTRADAS DE FERRO é de suma importancia. Aqui cai muito bem o ensinamento "Quem não aprende com os erros corre a risco de repeti-los". A desativação da operação das estradas de ferro e consequente abandono do seus vastos patrimônios constituem um dos maiores crimes já cometidos contra o próprio Estado. Imaginem quantos mil quilômetros de faixa de terra, cortando o Brasil em todas as direções, foram constituídas e terraplenadas para menos de 100 anos depois serem completamente abandonadas. E quanta pontes, pontilhões, estações, oficinas, maquinário para ao final apodrecerem no mais absoluto abandono. Utilizei-me muito da Rede Mineira de Viação, na minha infância e juventude, para ir de Piranguinho a Pouso Alegre, no Sul de Minas, onde estudei. Mais tarde, de Piranguinho a Itajubá, onde cursei engenharia elétrica.

    ResponderExcluir