quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O LARGO DA BANANA

Sara Brasil, 1930
Não, você não está lendo errado. Não se trata do famoso Largo da Batata, em São Paulo, que ficava ali mais ou menos onde hoje está o calçadão entre as ruas Teodoro Sampaio e Pinheiros e que abriga uma das entradas da estação Faria Lima do metrô paulistano.

É Largo da Banana, mesmo, na Barra Funda, hoje inexistente. Acredito que somente se lembrem desse nome moradores muito antigos e já idosos da região.

O mapa da Sara Brasil de 1930 que aparece no topo deste artigo mostra onde ficava esse largo, no final da rua Brigadeiro Galvão. Era também chamado de praça, ou largo, Brigadeiro Galvão. Ele deixou de existir, primeiro, com a construção do viaduto sobre as linhas férreas da Santos-Jundiaí e da Sorocabana, viaduto este que foi inaugurado em 9 de julho de 1959 e, depois, com o alargamento da avenida Pacaembu desde o túnel sobre a avenida General Olimpio da Silveira.

O mapa de 1930 mostra um local bem diferente. O largo, triangular então, não tem nome nenhum e está onde se encontravam a rua Brigadeiro Galvão e a alameda Olga. Reparem que existe ali ao lado do largo um número com um triângulo: 861. Altitude do local? Não parece, pois esse ponto está próximo ao rio Tietê e não deve ter uma altitude como essa - deve estar por volta de 720, algo assim. Aliás, a altitude da estação da EFSJ era de 721 m.

A rua Cadete, que existia ali, desapareceu. A avenida Pacaembu nem chegava ali, parando então onde hoje está o tal túnel do qual falei mais acima. Notem também que a atual avenida General Olimpio da Silveira era uma continuação da rua das Palmeiras (originalmente, ambas eram parte da estrada para Jundiaí).
Folha da Manhã, 9/7/1959

As linhas aparecem em profusão, pois o pátio da Barra Funda era imenso, principalmente o do lado esquerdo, pátio de cargas que era da E. F. Sorocabana. Hoje tudo isso é parte do Memorial da América Latina.

Reparem que há uma pequena rua (o nome é Capitão-mor Gonçalo Monteiro e está toda ela do lado norte da linha) que sai de onde a rua da Barra Funda encosta na linha férrea e que, segundo o mapa, parece ter uma ponte sobre as linhas - teria esta ponte tamanho suficiente para automóveis cruzarem-na? Este seria a ponte antecessora do viaduto Pacaembu? A estação da Barra Funda, mostrada à direita dessa pequena rua,era a da Santos-Jundiaí. Depois foi demolida e substituída por uma mais nova que hoje está em ruínas. A estação Barra Funda da Sorocabana não está assinalada no mapa, mas ficava no pátio ferroviário à esquerda.

Em 1958, como já disse, foi inaugurado o viaduto do Pacaembu sobre as linhas (veja fotografia acima). Ele começava praticamente onde ficava o largo da Banana. Ainda começa, mas as pistas foram unidas nos anos 1980, creio, para se dar mais espaço aos carros e alargar o viaduto utilizando o espaço que havia entre um lado e outro.

E assim vai indo nossa cidade, deixando desaparecer nossa memória.

4 comentários:

  1. O curioso é que a Rua Capitão-mor Gonçalo Monteiro está, aparentemente, num lugar diferente do atual. Será que ela trocou de nome com a Rua Assis? A Capitão-mor Gonçalo Monteiro margeia o que restou da antiga Estação Barra Funda da EFSJ, exatamente como a Rua Assis faz no mapa antigo. E a Assis, hoje, é a rua que margeia o viaduto, exatamente como a Capitão-mor Gonçalo Monteiro faz no mapa antigo. http://screencast.com/t/DTyxTocrwy6

    Também chama a atenção o trecho do texto da Folha que fala que a parte central do viaduto estava reservada para o Metrô.

    ResponderExcluir
  2. a escola de samba camisa verde e branco, que fica na barra funda tem em parte origem nesse largo. E alguns sambas de lá falam do largo da banana. Os ex escravos chegavam em sp e desembarcavam nesse largo, traziam a dança e a música. O Largo é muito mais importante do que se tem idéia....

    ResponderExcluir
  3. só pra reiterar o que o colega acima comentou, o que me trouxe aqui foi uma canção do Kiko Dinucci, que a Juçara Marçal canta, chamada "Roda de Sampa". ela fala de forma nostálgica sobre o ambiente do samba no local, um dos pontos de encontro da comunidade negra ex-escrava em SP (assim como a Bela Vista). olhando o mapa do Sara Brasil, vê-se que haveria uma certa dificuldade em deslocar o viaduto tanto no sentido da Lapa (havia galpões em ambos os lados, inclusive hoje funciona a TV Record no lado norte) quanto no sentido da Luz (era um bairro muito denso), justificando assim a destruição do Largo da Banana, mas não me surpreenderia se a construção do viaduto tiver sido usada como pretexto para uma perversa higienização cultural do local...

    ResponderExcluir
  4. A rua do cadete ainda existe com um traço dela na entrada do portão no memorial da america latina, parte dela encontra-se dentro do memorial e ia reto até a rua alfredo de castro cujo predio de esquina ainda existe até hoje

    ResponderExcluir