sábado, 15 de fevereiro de 2014

COMPANHIA CITY - UM POUCO DE HISTÓRIA


A Companhia City, de São Paulo, foi fundada por ingleses por volta de 1912 na Capital Paulista. Embora seu primeiro loteamento tenha sido feito em 1912/13 num ligar próximo ao Anhangabaú, no centro novo da cidade, ao longo do que 25 anos mais tarde seria a avenida Nove de Julho (na época, o vale do córrego Saracura), cuja rua principal é a Avanhandava, o seu nome realmente se cristalizou em cima do Jardim América, lançado em 1913/14 (nota: as datas exatas estão em livros meus que não fui à procura para confirmar, para não perder muito tempo na exatidão destes fatos, visto que hoje em dia tempo para mim é fundamental.)
Jardim America, 1930 - A Gazeta
A primeira casa construída no Jardim América foi a que ficava na esquina das ruas Honduras e Colômbia, em 1915, e infelizmente demolida há cerca de uns quinze anos atrás. Para construir esse bairro, rigorosamente para ricos, ela drenou com enorme sucesso toda o vale do córrego da Várzea, enorme charco que existia entre as atuais ruas Estados Unidos, Groenlândia (parte da lendária Estrada da Boiada), rua Atlântica e Nove de Julho. A única rua então existente eram exatamente uma das limítrofes, a Estrada da Boiada, que ainda tinha esse nome, vindo de Pinheiros e seguindo até o Matadouro da Vila Mariana e intransitável para os poucos automóveis que existiam então.

As ruas do Jardim América nomeadas com os nomes de países americanos. As ruas foram construídas de forma a evitar o que já imaginavam que viria: o tráfego pesado. Em parte, conseguiram. Hoje em dia, no entanto, há algumas das ruas que carregam trânsito bastante significativo, sempre em mão única. As duas únicas ruas retas eram a Colômbia (continuação da rua Augusta), a Brasil e as três limítrofes Atlântica, Estados Unidos e Groenlândia.
Primordios do Pacaembu, anos 1930 - Autor desconhecido

A partir daí, vieram outros bairros sempre construídos no mesmo estilo, como o Pacaembu (anos 1930) e muitos outros; quase todos podem ser vistos no mapa que foi colocado aqui nesta postagem e publicado como anúncio em 13 de maio de 1962, quando a City estava completando cinquenta anos. Houve outros bairros lançados mais tarde, como por exemplo o City Anhanguera, no final dos anos 1970.

O Jardim América permaneceu como o mais famoso. Suas escrituras de compra e venda de terrenos não permitiam a construção de prédios e estabelecimentos comerciais (exceção aberta ao Clube Paulistano e ao Clube Harmonia).

Vale notar que os terrenos da rua Atlântica, Estados Unidos e Nove de Julho do "lado de fora" do perímetro também foram loteados pela City. Estabelecimentos comerciais foram mais tarde liberados, depois de muita pressão, na rua Colômbia e na avenida Brasil, ambas de tráfego intenso. Oficialmente, as casas das outras ruas somente podem ter finalidade residencial. O bairro foi tombado pelo Condephaat.
Jardim Guedala, 2014 - foto Ralph Giesbrecht

À medida em que os bairros foram sendo lançados e dependendo também da sua distância do centro, o nível exigido de regras foi diminuindo. Não se pode comparar o Jardim América a nenhum outro bairro lançado por eles, sendo o Pacaembu o que mais se aproxima. Também foi tombado. Vale lembrar que, ao contrário do que muitos pensam, o Jardim Europa, de 1922, não foi um loteamento promovido pela City.

6 comentários:

  1. No Estadão de 20.11.1927 um anúncio da City sobre o loteamento do Pacaembu:

    http://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19271120-17777-nac-0003-999-3-not

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja no mapa da City que a avenida Arnolfo Azevedo era para ser continuação da rua Vanderlei (que acabou terminando na rua Heitor de Morais).

      Excluir
  2. Anúncio da City sobre terrenos industriais na Lapa, no Estadão de 16.07.1936:
    http://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19360716-20479-nac-0003-999-3-not

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A linha de bondes "Anastácio" citada no anúncio da City, segundo o livro "História dos transportes coletivos em São Paulo" de Waldemar Corrêa Stiel, era:
      "Linha Nº 37 - ANASTÁCIO - Inauguração: 03.10.1921 - Extinção: 05.01.1959
      Extensão: 8,2 km. Carros de horário: 3.
      Itinerário: Praça Giuseppe Verdi (Correio), Av.São João, Al.Glete, Rua das Palmeiras, Lg.Perdizes, Av.Água Branca, ruas Guaicurus, Trindade, 12 de Outubro, Br.de Jundiaí, Nova, Estrada de Jundiaí até o frigorífico Armour.
      Em 22.08.31, ruas Trindade, 12 de Outubro, Barão de Jundiaí, Brig.Gavião Peixoto, João Tibiriçá, Tordesilhas, Estr.de Jundiaí, Pátio da Armour.
      Em 01.07.44 ponto final mudado para proximidades da estação Domingos de Morais da E.F.Sorocabana.

      Excluir
    2. A linha ANASTÁCIO devia dar prejuízo porque, segundo Waldemar Stiel, em 1927 o ponto inicial passou para a rua 12 de Outubro onde ficava o ponto final do bonde LAPA (35). O autor não fala se havia baldeação gratuita entre as linhas, mas em 05.12.37 o tráfego da Anastácio foi suspenso pela Light. Porém "a Prefeitura revogou a autorização para a suspensão a pedido popular, alguns dias depois, voltando a linha a ser trafegada regularmente"

      Excluir
  3. Outro anúncio da City no Estadão de 23.04.33, página 14:
    http://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19330423-19474-nac-0014-999-14-not

    ResponderExcluir