quinta-feira, 23 de julho de 2015

TRENS VIRAM SUCATA E SÃO VENDIDOS A PREÇO DE BANANA NO RIO DE JANEIRO

Material a ser leiloado. Foto e escritos Antonio Carlos Pastori.

E eu pergunto: por que o assunto trens e ferrovias tem sido tão mal administrado, para usar um termo leve, nos últimos sessenta anos no Brasil? A ideia corrente desde os anos 1950 que ferrovias e trens são coisas do passado, obsoletas, que apenas serviam no século XIX, continua viva na cabeça de muitos administradores governamentais. Vale ressaltar que no mundo inteiro, principalmente na Europa e na América do Norte, os trens são utilizados para transporte de cargas e de passageiros sem nenhum problema. Não se usam trens apenas porque algumas pessoas deles gostam. Usa-se porque são necessários.

Vejam esta: cerca de 97 vagões, ou melhor, carros de passageiros das décadas de 1960, 70 e 80 foram devolvidos pela Supervia, que administra e opera os trens metropolitanos do Rio de Janeiro (como a CPTM em São Paulo, mas concessionada como empresa privada) vão ser leiloados até o final de julho/2015 pela SETRANS - Secretaria de Transportes do Estado do Rio de Janeiro.

Segundo Antonio Pastori, esses carros serviram por muitos anos aos passageiros dos trens de subúrbio do Rio em diversos momentos operados e por empresas distintas: Central do Brasil, CBTU, Flumitrens e Supervia. Um dos motivos de leilão é que, além do obsolescência do material rodante, os carros estão ocupando grandes espaços nos depósitos da Supervia em São Diogo e Deodoro, que precisam ser liberados para receber novos trens. Uma pena que após prestarem relevantes serviços tenham fim tão medíocre: virar sucata.

Ainda segundo Pastori, estes carros poderiam ser reformados e/ou adaptados para usos mais nobres, como por exemplo, bibliotecas, salas de educação para cursos de informática, oficinas de artesanato, escolinha de música, carpintaria, anfiteatro, café cultural, museu ferroviário, ponto de informações turística e mais uma dezena de usos - cadeia pública -, em face a enorme durabilidade, solidez e resistência ao tempo das suas caixas de ferro e aço, permitindo que durem ainda mais de meio século, mesmo se expostas ao tempo.

Pastori ainda adiciona que, segundo o Governo do Estado do Rio, os recursos arrecadados deverão ser reaplicados em melhorias no sistema de trilhos do Estado, o que será muito pouco vis a vis às demandas de investimentos bilionários que o modal ferroviário requer. O que será arrecadado nos leilões será muito pouco, pois cada carro pesa entre 15 e 20 toneladas e será vendido a preço de sucata de ferro (R$ 0,70/kg), dando um total inferior a 1 milhão de reais. Seria muito mais interessante a SETRANS reservar alguns deles para uso mais nobre, conforme exemplificado nas fotos abaixo. 

Após reforma, poderia ser utilizados como Centro de Informações Turísticas e/ou Centro Cultural para preservação da memória ferroviária em cidades do Estado do Rio. O leilão deverá acontecer daqui a algumas semanas.

Uma carta foi enviada por ele ao Secretário de Estado dos Transportes, Sr. Carlos Roberto de Figueiredo Osório, depois de receber diversos e-mails de entidades preservacionistas, indignadas com o fato de esse material ter sido considerado, erroneamente, como inservível, devendo ser vendido a preço de sucata de ferro.

Ledo engano, pois essas velhas caixas metálicas com rodas de metal têm durabilidade secular - que o digam os ingleses, com seus tesouros ferroviários preservados e em operação até hoje. Eles podem, na verdade, ter serventia bem mais nobre do que serem irremediavelmente picotas pelo maçarico.

Saiba, senhor Secretário, que uma das maiores dificuldades para implantação de dezenas de projetos de TTR-Trens Turísticos e Regionais, assim como projetos culturais, é a falta de material rodante. E o Governo do Estado está contribuindo para o agravamento desta dificuldade.

Para reforçar os argumentos acima, solicito a leitura do pequeno artigo abaixo.

Antonio Pastori é pesquisador ferroviário e Vice-Presidente da AFPF-Associação Fluminense de Preservação Ferroviária, Mestre em Economia e pós graduando em Engenharia Ferroviária.

2 comentários:

  1. Ralph,
    carta a SECTRANS RJ:
    Prezado Secretário Osório,

    Venho através dessa mensagem solicitar que seja suspenso temporariamente o leilão de material rodante devolvido pela supervia ao governo do estado devido a suposta obsolescência até que se faça uma triagem deste material.
    Boa parte deste material refere-se a trens de aço inox das séries 900/9000 800/8000 700 e 500, que embora tenham sido julgados inservíveis pela supervia possuem enorme potencial de reaproveitamento em outros serviços a saber:

    1- Modernização das composições que atendem aos ramais de Guapimirim e Vila Inhomirim, os trens a serem alienados por serem de aço inox resistem melhor ao ambiente abrasivo da região do fundo da Baía de Guanabara melhor do que os trens hoje operados pela supervia, inclusive os trens a serem alienados são mais novos que as composições em usos nestes ramais, embora estes ramais sejam de bitola métrica no passado durante a administração da CBTU houve a transferência de trens elétricos da bitola larga para servirem como carros reboque diesel na bitola métrica.

    2- Implantação de trens turísticos e culturais, hoje no estado do RJ há pelo ao menos 3 projetos de trens necessitando de material rodante e que poderiam ser beneficiados com o uso das composições a serem alienadas o trem da mata atlântica em Angra dos Reis, o trem azul em Miguel Pereira e o trem Barrinha entre Japerí e Barra do Piraí.

    3- Expansão do serviço de trens urbanos e trens regionais, há no contrato de concessão da supervia a previsão de extensão dos serviços de trens até Itaguaí em tração a diesel de bitola larga , o material rodante ideal para tal é justamente o que vai ser leiloado. Também existem as demandas de trens regionais entre o Rio de Janeiro e Campos, demandas apresentadas dentro das audiências públicas da implantação da EF118.

    4-Serviços de manutenção, a maior parte dos trens de manutenção de rede aérea da supervia hoje são antigos trens unidade de aço carbono e possuem 78 anos de idade! Vários destes carros em aço inox podem substituir estes trens, a própria supervia já fez duas substituições destas (trens TS1 e TS2). Além da supervia e do metrô rio as futuras operadoras das linhas 3 e 4 do metrô também precisaram de trens de manutenção que podem perfeitamente ser baseados nos carros de aço inox.

    5- Laboratório para as aulas práticas da escola técnica estadual Silva Freire, o estado do RJ é um dos poucos no país que possuem ensino público especializado na área ferroviária, mas que carece de meios para aulas práticas antes de entregar o aluno ao mercado.

    Todas as opções acima apresentadas são realizadas por diversas ferrovias tanto no Brasil quanto no exterior,inclusive referências como o metrô de Nova Iorque e as operadoras de trens regionais dos EUA, e dariam ao estado um retorno muito maior no sentido da economia com a aquisição de material rodante para as demandas do transporte ferroviário do estado do que o valor gerado pela sua venda como sucata.

    Caso observar o assunto mais detalhadamente seguem as referências abaixo sobre o material em questão e seu reaproveitamento:

    Reaproveitamento de trens elétricos em tração diesel
    http://lauaxiliar.blogspot.com.br/search?q=push

    Trens série 800/8000
    http://lauaxiliar.blogspot.com.br/search?q=800

    Trens série 900
    http://transportesuburbanorj.blogspot.com.br/2012/05/cobrasma-serie-900-do-rio-sao-paulo-e.html

    Transferência do trem da série 100 para bitola métrica:
    http://lauaxiliar.blogspot.com.br/2012/04/ultima-viagem-haha.html

    ResponderExcluir
  2. Ralph, preciso entrar em contato com você ! Meu E-mail é wagnergerlach@gmail.com
    Preciso de ajuda, pois estou fazendo um Jogo de Tabuleiro sobre Ferrovias no Estado de São Paulo e não quero cometer erros históricos.
    Será um jogo gratuíto já que disponibilizarei gratuitamente para os interessados imprimirem e montarem o jogo (Chamamos de Print-play)
    Fico no aguardo...
    Abraços
    Wagner Gerlach

    ResponderExcluir