sexta-feira, 10 de agosto de 2012

A HISTÓRIA TRATADA COMO BEM DESCARTÁVEL

Estação do Barracão, ex-Mogiana: aqui deveria estar o museu ferroviário de Ribeirão Preto. Devia.

As notícias chegam de Ribeirão Preto: a Prefeitura vai restaurar a locomotiva que um dia rodou nas linhas da Usina Amália, em Santa Rosa de Viterbo. Sabe como é, véspera de eleição, os prefeitos tentam fazer algo para impressionar a população e ganhar votos para sua reeleição ou para seu "kronprinz".

Essa locomotiva está mais ou menos onde um dia foi a estação ferroviária de Ribeirão Preto, na Vila Tibério e criminosamente demolida no início do ano de 1968.

Porém, a história é bem outra. Um dos historiadores ferroviários da cidade, talvez o melhor, deu hoje seu alerta:

"Devagar com o andor que o santo é de barro. Não vão restaurar nada, apenas estão fazendo o que deveria ser rotina, ou seja, limpeza e manutenção da pintura. O ideal é retirar a locomotiva da praça e colocar em um museu ferroviário, onde até pode funcionar em demonstrações ou um pequeno trecho de interesse histórico. O problema é que a prefeitura está emperrando há 4 anos a criação do museu e não está disposta a tirar a locomotiva dali.

Quem conhece o lugar, sabe que a locomotiva se tornou abrigo de drogados, que a transformaram em um pardieiro. O mais absurdo é que ela está bem na portaria do Pronto-Socorro Central e entre os poucos metros que separam a porta do Pronto-Socorro e a locomotiva, fica estacionada uma viatura e pelo menos dois guardas municipais. Como a única função da Guarda Municipal é fazer a vigilância de bens públicos, nada mais natural que tomassem conta da locomotiva (que é um bem público municipal), porém isso não é feito com a desculpa de que não há efetivo.

Ou seja, os dois ficam o dia todo plantados na frente da locomotiva mas não tomam conta porque a ordem é para olharem o pronto-socorro, e enquanto isso a locomotiva é usada como banheiro e boca-de-fumo, chegando ao estado lastimável em que chegou.

Essa limpeza não vai resolver nada, porque irá continuar na praça e a Guarda Municipal continuará fingindo que não sabe que tem o dever de zelar por ela, mas é melhor do que deixar do jeito que está. Eu orientei a aplicar um redutor de ferrugem antes do fundo, e isso será feito. Pelo menos assim, a ferrugem pára e se um dia algum iluminado da prefeitura resolver liberar o restauro não estará tão ruim.

Sobre os dados da reportagem, existem dois erros gritantes. Primeiro que a locomotiva não é "Phantom" (esse fabricante nem existe) e sim Borsig, e ela não foi doada ao município em 1912, e sim em 1972. 1912 é o ano de fabricação. Ela foi feita para a E. F. Araraquara, de depois do alargamento da bitola foi vendida para a Usina Amália e por fim, depois da desativação da linha da usina, foi finalmente doada ao Município."

O resumo feito por ele, acima transcrito ipsis-literis, mostra como realmente se tratam as preciosidades históricas neste país. Claro, há exceções: Ribeirão Preto, no entanto, trata sua história como a média brasileira: com oportunismo, informações erradas e usando palavras errôneas, como "restaurar" significando "dar um tapa". Isso, se der.

3 comentários:

  1. Todos os dias eu passo em frente! está locomotiva é bonita...embora está largada! eu não acredito em reforma e restauração! politicagem pura...

    ResponderExcluir
  2. A história ferroviária do Brasil é tratada no 23º plano (ou pior), infelizmente.

    ResponderExcluir
  3. É impressionante o descaso que temos como nossa história. Uma árvore precisa de raízes profundas para buscar a força necessária para gerar bons frutos!

    Parabéns pelo blog. Visual limpo e de bom gosto, com ótimos textos e belas imagens. Trabalho bem feito! Li várias postagens e fiz comentários em algumas.
    Gostei tanto de seu blog que me tornei um seguidor!

    Como não encontrei um e-mail no blog para entrar em contato, deixo aqui o meu convite:
    Sou um historiador e psicólogo mineiro, de Juiz de Fora, e em março de 2012 comecei um blog chamado HistóriaS ( http://historiasylvio. blogspot.com.br ) onde compartilho algumas coisas que considero interessantes sobre Minas Gerais, Trens, História e artes.
    Apesar de não me propor a fazer postagens exclusivamente sobre o mundo ferroviário, como mineiro acredito que trens e Minas se completam tão bem quando goiaba com queijo.
    Convido você a dar uma olhada no meu blog e dar sua opinião, trocar ideias ou sugerir postagens.
    Se gostar do conteúdo, ficarei muito satisfeito se decidir seguir as novas postagens.

    Há marcadores à direita do blog para você pesquisar os assuntos que mais te interessam, mas as postagens específicas sobre trens estão acessíveis no link abaixo:
    http://historiasylvio.blogspot.com.br/search/label/Trem
    Tenho planejadas postagens sobre os trens-bala, ferromodelismo, a história da Madeira-Mamoré e mais alguns assuntos em estudo. Se tiver sugestões para outros temas, gostaria de recebê-las.

    Estou gostando muito de viajar pelo seu blog, assim como é ótimo desvendar um bom livro, um capítulo de cada vez! Farei novas visitas, com tempo e calma.

    Um abraço ferroviarista.

    ResponderExcluir