sábado, 25 de fevereiro de 2017

FERROVIAS BRASILEIRAS EM 2017


As ferrovias brasileiras, em estado desesperador, tiram a minha vontade em escrever sobre elas. Tenho colocado fatos históricos neste blog, mas isso só me aumenta a frustração de ver que um dia tivemos algo muito bom e que deixamos escapar por entre os dedos.

Mas, afinal, qual a situação do que restou das nossas ferrovias durante os quase dois meses que já se passaram deste ano da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de dois mil e dezessete?

 - A linha-tronco da Sorocabana continua com praticamente setenta por cento de sua extensão no abandono;
 - O velho tronco oeste da Paulista, entre Bauru e Panorama, com a linha sem operação já há mais de oito anos, pelo menos;
 - Previsão do mesmo destino, a curto prazo, das ferrovias gaúchas;
 - A Estrada de Ferro do Amapá, uma das únicas que continuava com trens de passageiros ainda operando no país, está totalmente parada e abandonada já há pelo menos um ano;
 - Até o metrô e a CPTM paulistanos, sempre conhecidos por excelente operação (principalmente o primeiro), estão constantemente tendo problemas de suprimento elétrico e, nos últimos vinte dias, sofrendo três descarrilamentos, fato que vinha sendo raríssimo já havia pelo menos quinze anos (se bem que, não descarto a ação de sabotagem política para estes casos);
 - A Norte-Sul continua parada em suas obras, sendo que tem trechos já prontos há mais de um ano que estão sem qualquer operação por trens;
 - A Transnordestina, mais uma vez com obras paradas no Ceará, Pernambuco e Piauí e sem qualquer vislumbre de operação a curto prazo;
 - Não há qualquer outro projeto sério de construção ou reformas de ferrovias em nenhum lugar do país.
 - Os projetos citados por jornais neste início de ano para trens de passageiros (São Paulo-Americana e Brasília-Goiânia) não passam de propaganda eleitoral (já foram anunciados umas dez vezes nos últimos anos).
 - O VLT do Rio de Janeiro está ameaçado de paralisação de obras de continuação e até mesmo de operação do trecho já inaugurado no início do ano passado, por falta de pagamento do Estado aos fabricantes e operadores;
 - As obras de linhas do metrô e da CPTM em São Paulo continuam com enormes atrasos; a linha 6 teve as obras paradas e o abandono dos pátios de construções é notório.
 - O VLT de Cuiabá continua com suas obras paradas desde 2014.

2 comentários:

  1. Outra situação absurda é a do trem para o aeroporto de Cumbica (linha 13-Jade da CPTM). Pelo projeto original, haveria o Expresso Aeroporto com trens saindo da estação da Luz e indo sem escalas até Cumbica. Agora o passageiro terá de fazer várias baldeações para chegar lá (com malas em trens entupidos de gente). E a estação final não será mais construída no local projetado originalmente porque a nova concessionária do Aeroporto resolveu construir um shopping lá. Agora os passageiros terão de desembarcar do trem, atravessar uma passarela, e viajar de ônibus por dois km até os terminais 2 e 3.
    A Folha de São Paulo publicou uma reportagem sobre isso na quinta-feira 23.02.17, página B1.

    ResponderExcluir